Pesquisar este blog

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Garoto encontra Garota (parte 2)


Ola pessoal! :) 

Continuando sobre a postagem anterior de "Garoto encontra Garota"....mas antes algumas palavrinhas de sua amiga aqui :)Para mim tem sido muito bom passar a vocês a ideia de que devemos pensar, depois pensar e pensar mais um pouco ainda quando se trata de vida sentimental! Eu comecei este blog com a intenção de falar de livros e coisitas mais, kkkk
Só que além disso, quero ajudar muitas amigas e companheiras da mesma fé que eu ou não, a se valorizarem, e a ver o relacionamento a dois como algo santo e puro aos olhos de Deus.
Mas o que temos visto dentro da igreja do Senhor esta muito parecido com o que se vive neste mundão afora, relacionamentos partidos, cheios de ansiedade e até mesmo vividos com tanta intensidade que mais tem passado uma imagem errada do que se devia ser... (vocês estão me entendendo néh)...
Por isso meditem muito nesta história, e se você não leu a primeira parte, leia antes, vai valer a pena ler todas as postagens, e que você, amigo e amiga que esta agora lendo este post, reflita em como tem sido seu namoro, ou como tem agido diante dos rapazes ou das moças em sua igreja!
Ou você que deseja algo santo para a sua vida, busca agradar a Deus em primeiro lugar, convido todos vocês a juntos comigo desfrutar da beleza que é amar e ser amado de verdade, pela benção do nosso Deus!
Agora chega de papo e vamos a continuação da história, bom proveito :)


ATÉ QUE O AMOR DESEJE

O romance é algo bom. Mas porque é bom, não significa que nós podemos apreciá-lo quando e como quisermos. Como todos os outros presentes que Deus nos deu, o amor romântico não pode ser usado da maneira errada.
Até Cânticos dos Cânticos, que revela o êxtase da paixão romântica, está cheio de avisos para que não removamos esta paixão das fronteiras do propósito e tempo de Deus. "Mulheres de Jerusalém, eu as faço jurar: Não despertem nem incomodem o amor enquanto ele não o quiser." (Ct 8;4) 
Os sentimentos de Rich e Christy um pelo outro eram reais e profundamente românticos. Mas aqueles sentimentos haviam sido despertados no tempo e propósito de Deus? O pai de Christy, Mike Farris, não tinha certeza. Quando descobriu o quão emocionalmente envolvidos estavam Rich e Christy, decidiu intervir.
Mike tinha a chance de se encontrar com Rich regularmente - ele era seu superior. Mike era o chefe de gabinete do governador da Virgínia e tinha contratado Rich como seu motorista, para levá-lo ás reuniões e eventos que aconteciam no Estado.
Na maior parte dessas viagens, Mike trabalhava silenciosamente no assento de trás ou fazia ligações. Mas, para surpresa de Rich, um dia, Mike decidiu sentar no banco da frente. Assim que eles começaram a viagem, Mike se virou para Rich e disse: "É verdade o que eu ouvi sobre você e Christy?"
Rich engoliu em seco.
Enquanto Rich dirigia, Mike conversou com ele, com um preocupação paternal, sobre a importância da sabedoria no romance. Mike tinha muitos arrependimentos por causa dos anos que passou namorando garotas no colégio e na faculdade. "Quando você está próximo de alguém emocionalmente, doa parte de seu coração", ele disse para Rich. "Existem consequencias de longo prazo."
Pode-se contar, em favor de Rich, que ele realmente ouviu o que Mike estava dizendo. 
A verdade o atingiu. Rich não estava pronto para sustentar uma família - tanto ele quanto Christy  queriam ir para faculdade. E também era muito cedo para acenderem as chamas do romance. Uma relação romântica prematura só os distrairia de sua preparação para o futuro.
"Eu nunca tinha ouvido algo assim", Rich se lembra. "Mike me convenceu. Ele não me forçou a terminar com sua filha. Quando compartilhou sua própria compreensão sobre relacionamentos eu vi que estava certo."

TRÊS PALAVRAS

Terminar o que ele é Christy chamavam de "nós" em um relacionamento não foi fácil, mas eles sabiam que isso precisava acontecer. Voltaram a ser apenas amigos. Encontravam-se na igreja, mas não agiam como um casal. Eles se viam como irmãos, e não namorados.
O plano funcionou... por um tempo. Mesmo sabendo o que era certo, seus corações eram enganosos. Eles queriam os sentimentos. Queriam a emoção de expressar como se sentiam. Queriam a segurança de saber que pertenciam um ao outro. Como resultado disso, começaram a comprometer seu compromisso de manter o relacionamento somente na amizade. Numa carta, Rich contou a Christy que a amava. Ela fez o mesmo. Eles não fizeram nada fisicamente, mas antes que percebessem, voltaram á toda ao relacionamento romântico, desta vez, sem que o pai dela soubesse. 
Depois de vários meses, a culpa se instalou. Enganar os pais estava pesando. "Nós temos que contar aos seus pais", Rich disse para Christy um dia. "Nós não podemos continuar assim."
Eles nunca tiveram essa chance. No dia seguinte, o pai de Christy chegou em casa quando ela estava conversando ao telefone com uma amiga sobre seu relacionamento com Rich.
"Christy, sobre o que você está conversando?", seu pai perguntou quando ela desligou. "Conte-me em três palavras."
"Pedidos de oração", Christy respondeu.
"Sério?", seu pai perguntou. "Para mim parecia mais: "Richard Guy Shipe."
Eles foram pegos.
Christy cedeu e confessou. Rich se encontrou com os pais de Christy alguns dias depois. Assim como Christy, estava arrasada por tê-los enganado. Tinha quebrado sua promessa a Mike.
Tinha roubado mais dos sentimentos de Christy, quando sabia que eles não lhe pertenciam.
Rich pediu perdão a Mike e sua esposa,Vickie. Desta vez, ele prometeu, o relacionamento realmente iria acabar. Agora ele havia entendido que o rompimento exigiria medidas drásticas. Eles não podiam ser amigos. "Se nós não recuarmos, iremos avançar", Rich disse. "Você não consegue permanecer parado num relacionamento como aquele. "Eles tinham que sair da vida um do outro. Foi então que Rich pediu a Christy que devolvesse todas as cartas que tinha escrito a ela. Relutantemente, ela entregou todas. "Eu queria ajudá-la", Rich explica. "Eu queria tirar de perto dela tudo o que representava meus sentimentos por ela. Aquelas cartas eram o registro de nosso amor e tudo o que compartilhamos. Nós as amávamos as relíamos constantemente. Eu sabia que, para realmente colocar o nosso relacionamento aos pés de Deus, tínhamos que nos desgarrar delas."

Continuação na próxima semana :)  
na fé e na sabedoria, SEMPRE!!!
Carine






Um comentário:

  1. (Essa história me lembrou muito algo que aconteceu com uma amiga...)

    Bem, sobre o que você escreveu, semana passada mesmo me peguei pensando nisso... Há uma ânsia em 'despertar' sentimentos...
    Você pode conhecer alguém e parece que instiga o sentimentalismo na outra pessoa, e do nada, acha que o 'estamos orando' resolve...
    E começam a orar! Passa-se um tempo e aquilo vira na verdade, um relacionamento (sem as carícias...), mas ninguém pergunta se aquilo é o certo?
    Se aquilo é a vontade de Deus?
    Pensam que apenas os pais e o pastor aceitando já está de bom tamanho! E depois? Depois podemos ver relacionamentos acabados e corações partidos...


    Se houvesse uma preocupação em cuidar do seu coração da forma certa e colocá-lo no seu devido lugar, o de apenas SENTIR e não de pensar! Muitas pessoas não sofreriam por isso e muito menos sairiam até mesmo da presença de Deus por sua vida sentimental!

    ResponderExcluir